Conecte-se conosco

Polêmicas

Carta de igreja que cobra dízimo atrasado revolta em fiéis

” O dízimo é bíblico e é um compromisso com Deus e com a igreja’, diz o religioso responsável pela cobrança

Publicado

em

Padre envia carta a fiéis cobrando dízimo

Dízimo é a grande insistência de pastores e de entidades religiosas. Muitos fiéis concordam com a prática, e outros não. No entanto, a forma como e pede ou cobra os valores dos fiéis estão sendo inovadas a cada dia, como é o caso de uma igreja que resolveu enviar carta pelo correio avisando os fiéis sobre o atraso da contribuição mensal.

De acordo com informações do JM notícias , a Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Nova Fátima, no Norte Pioneiro do Paraná, revoltou os fiéis, quando enviou cartas para alertar que as contribuições do dízimo estavam atrasadas.

Falido! Valdemiro Santiago pede ajuda milionária para ir nadar no Rio Jordão

Padre Nelson Mendes Vasconcelo, Dom Manoel, Dom Getúlio e pela Pastoral do Dízimo, responsável pelas cartas, dizia que ” o dízimo é bíblico e é um compromisso com Deus e com a igreja’.

“Constatamos através do sistema dos dizimistas que o seu dízimo está atrasado desde janeiro de 2018. Sendo da vontade de Deus, se você quer assumir o compromisso de dizimista, favor procurar a Secretaria Paroquial. ‘O dízimo é bíblico e é um compromisso com Deus e com a igreja’. Deus vos abençoe. Amém”.

Uma mulher membro da família de uma fiel frequentadora da Paróquia da cidade, que não se identificou, disse que a carta chegou na primeira semana de fevereiro pelo correio.

“Ela [moradora] me ligou dizendo: ‘Você não vai acreditar, recebi uma cobrança do dízimo hoje’. Ela estava muito constrangida, falou que não tinha nem jeito para aparecer na igreja mais. Segundo ela, é uma cobrança que chateia e desanima”, afirmou a familiar.

Ela acrescentou que: “A vida toda eu fui coroinha, sempre participamos mas, ultimamente, ninguém mais vai por causa do padre. Ela [moradora] disse que parou de contribuir no envelope do dízimo após outros paroquianos relatarem que deram R$ 10, e o padre disse que era esmola. Mas, ela [moradora] continuou colocando o dinheiro na caixinha na hora da oferta”, explicou ela.

Já o advogado do padre, afirmou que as correspondências emitidas pela Paróquia Nossa Senhora de Fátima, a todos os fiéis cadastrados, “foram somente com intuito de lembrá-los que não estão contribuindo com os dízimos mensais, da forma em que vinham fazendo nos anos anteriores”.

Além disso, segundo o advogado, em momento algum os fiéis foram cobrados. A finalidade do envio das cartas foi com objetivo de alertar a comunidade sobre a importância de ser dizimista, conforme a defesa do padre.

Com informações: JM

POPULAR