Conecte-se conosco




Justiça

Pastor perde ação na justiça após processar Igreja evangélica

Publicado

em

ação trabalhista
Pastor perde ação na justiça após processar Igreja evangélica

Após inúmeras denúncias nas redes sociais de religiosos estariam passando dificuldades, um pastor perdeu uma ação na justiça de cunho trabalhista. Muitos desses religiosos estão sendo expulsos das igrejas em que trabalham e muitas denominações evangélicas estariam estipulando metas de arrecadação inatingíveis para estes líderes religiosos.

O Pastor Marco Antônio Barbosa Mardine, moveu uma ação de cunho trabalhista contra a Igreja que pastoreava. A denominação evangélica Igreja de Deus no Brasil da região Centro Oeste do Brasil, ganhou o processo movido contra ela. Ou seja, o religioso perdeu o processo que havia aberto contra a instituição religiosa.

A briga entre as partes já é antiga, o processo foi aberto no ano passado. A Justiça já havia determinado que Marco Antonio não teria direito à defensoria pública, pois sua renda era superior à exigida para requerimento do benefício. O religioso de Iporá, no Estado de Goiás parece estar com problemas agora que a igreja onde trabalhava recorreu do seu processo.

Parecer da justiça

Segundo informações o Tribunal Regional do Trabalho da Região de Goiás, não foi comprovado vínculo empregatício entre as partes. Ou seja, para a Justiça, Marco Antonio não era um funcionário da instituição religiosa e esta não lhe deve nenhuma remuneração.

Segundo o religioso, ele cumpria com a obrigação de difundir o Evangelho e arrecadar donativos mediante pagamento de salário. A instituição religiosa alegou que o religioso realizou tais ações de maneira voluntária. A ação foi julgada por um desembargador que deu parecer favorável à instituição religiosa.

Para o magistrado, a ação que o pastor moveu contra a Igreja em que trabalhava não procede. Pois o Pastor não conseguiu demonstrar os elementos que provam sua relação trabalhista com a instituição denunciada. Uma testemunha; que se presume participar da instituição evangélica; confirma o cumprimento das metas. Porém, ela não soube informar se haveria punições caso essas não fossem cumpridas. 

Continue Lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Pingback: Igreja Universal enganou fiel e família recorreu a Justiça

  2. Pingback: Cantor gospel Eli Soares é acusado de plágio após álbum com música ir ao Grammy Latino

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Justiça

Cantor gospel filho de Edir Macedo humilha massagista e justiça não perdoa

Publicado

em

Filho de Edir MAcedo condenado pela jusitiça a indenizar massagista

O cantor gospel Moysés Macedo, filho de Edir Macedo, humilhou uma massagista que prestava serviços nos estúdios da Record TV. A mulher que acabou perdendo o emprego, após publicação dele no twiter, vai ser indenizada em R$ 40 mil Reais.

Marcelo Crivella sobrinho de Edir Macedo manda recolher quadrinhos com beijo gay

Uma matéria do site TV Foco, publicada nomês passado, mostra que o cantor gospel, filho de Edir Macedo teria humilhado a massagista na rede social após um serviço realizado por ela.

"Massagem com uma p*** baiana e agora to com nojo", "gorda falei p ela sair de mim e disse 'boa sorte na sua carreira'", "não recomendo que ninguém faça massagem na record e se for fazer cuidado com (nome)" e "ela tem aids", divulgou Moysés Macedo no twiter.

Após a a massagista recorrer a justiça para ser reparada por danos morais, o juiz Marcelo Augusto de Oliveira, da 41ª Vara Cível do Foro Central Cível de São Paulo, decidiu que o cantor gospel terá de a pagar R$ 40 mil Reais a mulher.

Na sentença, de acordo com o portal Jota, a mulher disse que se sentiu humilhada enquanto atendeu Moysés. E que após saber do conteúdo das mensagens, se abalou emocionalmente e foi demitida da empresa que fornecia os serviços à Record

Na decisaõ o juiz Marcelo Augusto Argumentou que "O autor, aproveitando-se da sua posição de superioridade hierárquica, difundida na condição de filho do proprietário da emissora de televisão, julgou-se no direito de fazer pouco da honradez da autora, diminuindo-a e menosprezando-a, em privado e em público, de forma ignóbil e abjeta, com a única finalidade de humilhá-la. É o bilinguis maledictus de que fala a Bíblia", pontuou o magistrado.

A justiça foi favorável a mulher, mesmo que a defesa do filho de Edir Macedo tenha alegado que ele não se lembra de ter feito uso da massagem no canal. Também questionou a veracidade da informação do TV Foco, já que o perfil não pertenceria a ele. A defesa ainda acrescentou que o fato de Moysés ser conhecido no meio gospel pode, ter sido motivo para a criação de contas falsas.

Continue Lendo

POPULAR