Conecte-se conosco




Geral

Deputada diz que Jesus era palestino e causa revolta de judeus e cristãos

Publicado

em

Judeu
Deputada diz que Jesus era palestino e causa revolta de judeus e cristãos

Se a deputada americana Ilhan Omar (D-MN) queria causar confusão, ela conseguiu ao repostar pelo Twitter um comentário polêmico que saiu no jornal New York Times.

De acordo com a parlamentar, Jesus era palestino, e não um judeu que vivia na Judéia dominada pelos Império Romano.

O comentário foi de Omar Suleiman, um acadêmico muçulmano americano e ativista dos direitos civis, que acusa os cristãos conservadores de serem "ignorantes sobre a herança palestina de Jesus".

Sacerdotes e teólogos católicos chama Papa Francisco de herege

"Uma vez fui perguntado por um parente que é cristão palestino porque a direita cristã na América apoia amplamente sua opressão", escreveu Suleiman. "Eles não sabem que somos cristãos também? Eles não nos consideram humanos? Eles não sabem que Jesus era um palestino?".

Apenas algumas horas antes do tweet, o New York Times publicou um artigo de opinião que afirmava: "Jesus, nascido em Belém, provavelmente era um homem palestino de pele escura".

Judeus e cristãos rapidamente desafiaram a noção de que Jesus não fosse um judeu israelense que vivia sob ocupação romana.

Em seguidas diversas pessoas começaram a criticar a atitude da deputada.

"A mensagem do retweet da Congressista @IlhanMN está alegando que #Jesus era um #palestiniano! Eu sugiro que ela leia a Bíblia e veja por si mesma que o Leão da tribo de Judá, que veio da casa de Davi, era definitivamente um judeu, ensinado em #sinagogas e não em #mesquitas!".

A comentarista conservadora Allie Beth Stuckey acusou Ilhan Omar e outros que afirmam que Jesus é palestino de promover uma versão distorcida da História.

"As pessoas que chamam Jesus de 'palestino', apesar do fato de a região geográfica da Palestina não existir até anos após sua morte, estão simplesmente projetando nele a interseccionalidade dos dias atuais para fazer com que sua 'veracidade' pareça bíblica. Isso é idolatria ", disse Stuckey.



O conteúdo do site é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.